Loading...

quinta-feira, 12 de março de 2015

AS DOUTRINAS REFORMADA NA ASSEMBLEIA DE DEUS

Está mesmo provado que a doutrina cessacionista está influenciando bastante a teologia seguida pelas assembleias de DEUS,como a arminiana, promulgada por Jacó Armínio, teólogo holandês, que foi perseguido por discordar da fé reformada em sua época, como a salvação incondicional, a perdição dos incrédulos, entre outras.
Silas Daniel, em uma de suas entrevistas dada à revista Obreiro, editada pela CPAD, disse que as assembleias de Deus estão perdendo terreno nessa área, sendo influenciadas pelas doutrinas reformada, como a de Calvino, o qual baseou suas doutrinas nas de Agostinho, fazendo adaptações a ela; mas, muitas vezes, ele é bem explícito nisso.Segundo deu a entender o teólogo assembleiano, há um desconhecimento, por parte da igreja, sobre as questões que envolvem arminianismo, pelagianismo, semipelagianismo e cassacionismo.
Outro que versou sobre esse tema foi o opastor Jeremias do Couto, que entre outras coisas, disse que "ele é ao mesmo tempo calvinista e arminiano", pois buscou e encontrou um meio termo entre as duas correntes teológicas. Essa entrevista dele está no blog Teologia Pentecostal, do irmão Gutierrez, um assembleiano formadoo na Universidade Presbiteriana Makensie, portanto, influenciado pelos grandes escritores cessacionistas dessa igreja; alguns mais ferrenhos, outros, mais moderados, mas todos calvinistas. Esse Gutierrez criticou, certa vez, a igreja de Recife, chamando-a de um reduto legalista do Nordeste. Felizmente isso tem nos livrado de muito liberalismo teológico das igrejas assembleianas do sul e sudeste, apesar de que, quem sustenta a igreja é a doutrina bíblica, mas que pode dar respaldo a esses bons costumes, sem fazer com que eles tenham o mesmo nível de autoridade.
O próprio Geremias do Couto asseverou que foi prejudicado de modo muito grande pelas doutrinas, e costumes das Assembleias de Deus, como os exageros nos costumes, onde todo dia se "perdia" a salvação, seja por causa de uma crinaça jogar bola de gude, seja por que uma mulher cortou o cabelo, seja por que alguem crente foi ao cinema... E essas coisas, segundo o escritor, faz com que as igrejas assembleias de Deus sejam acusadas de pregar, nos púlpitos, uma doutrina semipelagiana, e não propriamente as doutrinas arminianas:

A morte de Cristo por todos os homens pode ser concluída de diversas passagens das Escrituras:
1 – Daquelas que dizem que ele morreu por “todo homem”, por “todos os homens”, por “todos”, pelo “mundo”, por “todo o mundo”:
Pois o amor de Cristo nos constrange, porque julgamos assim: se um morreu por todos, logo todos morreram; e ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. [2Co 5.14-15]
Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo. [1Tm 2.5-6]
Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. [Hb 2.9]
E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. [1Jo 2.2]
2 – Daquelas que dizem que Deus em Cristo reconciliou o mundo:
Pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação. [2Co 5.19]
3 – Daquelas que dizem que Cristo daria sua vida pelo mundo:
Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo. [Jo 6.51].

É essa a doutrina arminiana, desprezada por muitos, principalmente pelos calvinistas, que dizem que Deus escolheu alguns para serem condenados, e outros para serem salvos, anulando, assim,o sacrifício de Cristo, que quer que todos cheguem ao conhecimento da verdade. O teólogo Altair Germano, de Abreu e Lima, também escreveu um ótimo artigo sobre essa corrente teológica, esclarecendo vários pontos delas; já é um bom começo.Resta agora ser mais falado nos nossos púlpitos.
Por causa dessa influência, muitos assembleianos deixam sua igreja, pentecostal, e vão congregar em igrejas calvinistas, negando a fé pentecostal, propagada, entre outros, pelo pastor Saymour, grandemente usados por Deus, como Charles Finney, Moody, Wesley, entre outros, que conheceram de perto o poder de Deus, e falaram em línguas estranhas, ao contrário do que dizem. 
Conheço vários irmãos que estão congregando em igrejas históricas, como a IPB, embora tenham conhecidos o poder de Deus, o batismo no Espírito Santo, curas, milagres, línguas estranhas, e muitas outras manisfestações do poder de Deus, em sua multiforme sabedoria.
É preciso, como disse Silas Daniel, haver mais ensinamentos sobre a influencia arminiana nas nossas igrejas, de púlpito, pois o que se vê, na realidade, é uma teologia baseada num semipelagianismo, ou seja, é preciso de esforços nossos para que sejamos salvos; e isso é errado. Somos salvos pela graça de Deus, da qual somos dependentes, e não por nossos esforços em cumprirmos esse ou aquele mandamento, de modo mecânico, pois toda a lei se cumpri amando o próximo (Rm 13.9).
Eu concordo com Silas Daniel, que precisamos aprender mais e divulgar se possível, no culto, sobre  o que nós cremos, para que possamos solidificar mais nossa fé;por outro lado, devemos ver o que a teologia calvinista tem de bom para nos ensinar, E FAZER UMA ESPÉCIE DE INTERCÂMBIO COM ELAS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário